REDESCOBRIDORES DA ALMA!

domingo, 6 de novembro de 2016

Feito Mar By Patrícia Pinna



Solidão, é tal qual mar, profundo e misterioso
Uma contemplação intensa,parte de mim
Transparente como a verdade
Que um dia abarca no porto
Com gemidos silenciosos.


Autoria: Patrícia Pinna(Todos os direitos autorais reservados)
Imagem: Internet

sábado, 22 de outubro de 2016

Cores By Patrícia Pinna

           

As muitas cores do espírito 
Vestem meu corpo como eu deixar
Vislumbram o verde-escuro, o branco e o vermelho
Pincelam de negritude e suas virtudes

Inexiste em uma mesma alma só a claridade
Sabedora disso, tudo cai a mim muito bem.
Irritante chega a ser quem a isso nega
Pensam que tudo é feito de sol
Que as nuvens não existem
Lágrimas são só de felicidade
E os fantasmas não nos vem perturbar

Minha casa é uma rocha bem forte
Sustentadora de todos os meus sentimentos
Residente em uma caverna imensa
Emana luz dela, vejo o resplandecer nas pedras
Na sua areia percebo a aurora
E, tudo lá fora, encaro do jeito que for
Abraço a mais bela flor ou choro sua morte

Planto sementes esperando ser fértil o solo
Se desespero, é no tempo certo, volto ao eixo
Respiro e suspiro o ar da montanha, seu verdejar
E, as cores, vou equilibrando neste Universo
Sem pressa, caminhando e evoluindo em cada cor!

Autoria: Patrícia Pinna(todos os direitos reservados)
Imagens: Internet



sábado, 1 de outubro de 2016

Sabotagem By Patrícia Pinna


Vivenciar o amor, saboreá-lo em todos os seus gostos
É como tentar alcançar o seu sentimento selado
Em descrédito, em confusões e dissoluções

Pequena dama, grande alma
Sede de tudo, fome do nada
Labirinto toma a forma  o seu coração
Esquece-se da razão, indaga: -"Quem é ela"?

Perdida quase sempre, feliz vez em quando
Esporadicamente passageira de luz
Mora mais no abismo das trevas
Todavia, quando pela fresta
Vislumbra um microscópico sorriso
Aventura-se em desatino, emoção sem medida
Distração, coesão!

Deus vela por ela, protege-a da faca carregada consigo
Desarma a teimosia, insensatez, a culpa, a vergonha
Enfatizando o brilho estelar, serenidade
O imbatível compasso da felicidade
Manto mais do que sagrado
Escondido nos meandros da sua própria sabotagem.


Autoria: Patrícia Pinna
Direitos autorais reservados
Imagens: Internet


domingo, 4 de setembro de 2016

Nebulosidade Da Emoção By Patrícia Pinna





Residente em cenário confuso chora a tua alma bipolar
Dor de uma dúvida embebida no fel da incoerência
Dividindo momentos de uma calmaria feita em parceria
Resistindo ao pensamento de que a essência poderia faltar

Ausente está o brilho do teu olhar mudo,manto de feitiçaria

Que hipnotizava-me num resvalo de tua íris apaixonada
Ficando uma sombra melancólica em profundo pesar
Sendo Chronos implacável nos segundos sequentes

E, a nebulosidade da emoção, fez-se impactante tristeza

Fria, oriunda de uma constatação humana tão desumana
Que  há muito não queria ver
Apenas fechar os olhos da consciência
Sendo iludida por ela em momentos de fraqueza

Teu colo transmite o calor que, por ti foi subtraído

Sem cobrar de mim o que não pudesse dar
Apenas envolvendo-me em cuidadoso tear
Aparentemente inofensivo
Onde recebo forma e calor
Nos prováveis fios da utopia!

Autoria: Patrícia Pinna
Imagem: Internet
Vídeo: You Tube



                                                            

sexta-feira, 5 de agosto de 2016

Cantes no Céu, Poeta!


A cor da minha lágrima é vermelha
Meu luto inacreditável, dor imensurável
Meu poeta partiu, parte de mim foi com ele
sem exagero algum, uma falta extrema já está fazendo
e eternamente fará!
Fragilidade de vida, ora respiramos, ora acordamos sem ar
Por mais que faça parte da Natureza, de um ciclo, sempre é muito triste ver alguém a quem amamos, partir deste plano.
Sem engano, minha alma esvaziou-se de alegria
Restará a sua obra imortal, seu talento, sua leveza
A poesia que cantavas tão bem em suas letras melódicas
Sentirei a sua presença em cada canção, como se a meu lado estivesse.
Grato prazer conhecer sua vasta obra, repleta de inteligência e sensibilidade.
Não apenas  o estado de Minas Gerais perde, mas a Nação inteira, o mundo que teve a oportunidade de presenciar o brilho de uma estrela de imensa grandeza!
Como dói saber que não poderei ir a um show seu, tocar sua mão, olhar nos seus olhos...
Como fui salva por você, por suas canções, como chorei e sorri ao escutar seus doces acordes.
Tinha de ser você o escolhido para alegrar o céu, faça isso, poeta, faça! 
Espero que sempre fique bem ao lado de Deus!
Jamais esquecerei você e suas canções, fazem parte da minha existência!
Deus o guarde, abençoe sua nova missão e console os que te amam!
Todos guardaremos a ti na nossa alma, pois és e serás INESQUECÍVEL!
PAZ!
Beijos na sua alma infinitamente linda e poética!


Autoria do texto e frase do card: Patrícia Pinna
Imagem: Internet
Vídeo: You Tube



sábado, 23 de julho de 2016

Mudas Metáforas By Patrícia Pinna



Nem sempre as metáforas verbalizam, soam
O que pretendo passar nas linhas da poesia
Elas são livres, independentes e voam
Em céus límpidos e donas de si, sem parceria

Percebo que a mim não pertencem, possuem vida
São emprestadas num generoso momento
Fértil da criação em várias mãos, não rejeito
Montam versos com significados compreendidos
E incompreendidos na diversidade da alma, aquecidos

Sorvo suas intenções de forma subserviente

É a minha digital de naturalidade proveniente
Vez em quando ofuscada em sua solidão
Lugar de encontro refletindo sobre a existência
Desfazendo-se os nós de preocupante tensão

Quero limpar a minha mente

Aliviar, tornar virgem a retina
Esvaziar a pretensão em surdina
De qualquer coisa desconexa e indiferente

Estou na teia presa da invisibilidade, amargor

Já passei da tenra idade, contudo, sinto nas palavras
O amor possuidor de linda habilidade, estradas
Acalentando meu próprio eu desertor!


Autoria:  Patrícia Pinna
Vídeo: You Tube
Imagem: Internet



quarta-feira, 13 de julho de 2016

Mãos By Patrícia Pinna




As mesmas deslizantes neste momento especial
A garra sobreposta e composta
As loucas mãos despidas 
As nuances do seu dedilhar
Tocando profundamente o seio do amor
Num calor de gotas suaves exibindo luz

Nasce um clamor, vislumbra o resplendor carmim
Desejoso de não finalizar a guerra
E, na terra amada, encontra encantos viciantes
Nas curvas perigosas
Nos cinco nomes distintos

Insanidades luxuriosas, reverberantes
Delicadeza no tato, fato delirante
Sensibilidade em digitais diferentes
Ligeiras ou vagarosas guardam a prosa
Dos amantes quase mudos
Na peculiar linguagem agradável

Repousa com carinho onde quer
Faz desenhos sem giz, fortalece a raiz
Marca silhuetas ao anoitecer
Clareia suas intenções ao amanhecer
Libertária, insinuante, calmante
O que me diz?

Autoria: Patrícia Pinna
Imagem:Acervo pessoal
Vídeo: You Tube



sábado, 2 de julho de 2016

Adjetivos By Patrícia Pinna



Adjetivos foram adormecer cansados de tanto trabalhar
Enaltecendo o meu amor por ti
Um ou outro faz-me companhia
Para alegrar meus momentos em tua ausência

Palavras cansam em dizer o que já sabes
Tal qual alguém que repete a mesma sentença
Para acabar crendo na força do que diz

Seguem os sonhos, as vivências
Lembranças do bem-querer
Da estação que amamos
Dos lugares onde repousamos
Nossos corpos sob as estrelas
Emoções lacrimejando imensos olhos, rara beleza
Mescla das cores nos olhares, poesia

Bênção que nos agraciou num épico real, forte abraço
Fortalecendo o laço, resgatando resquícios resplandecentes
Resolutos!
Regaço da simplicidade viva em minhas mãos
Purificação do nosso eu, outrora,morada da escuridão
Sem claridade e santificação!

Autoria: Patrícia Pinna (Todos os direitos reservados)
Vídeo: You Tube
Imagem: Internet.



sábado, 25 de junho de 2016

Vontades By Patrícia Pinna



Tantas são as vontades nessa vida
Pausar a mente, descansar a alma
Refrigério dar ao espírito sem luz
Cansado das injustiças e desatenções

Recluso em posição fetal fica o meu pensamento
Afastado de quem de mim não sente falta
E o meu corpo relaxa no aconchego invernal
Sedento apenas de encontrar-se consigo mesmo

Assim passam os dias frios, as pessoas como véus
Em uma invisibilidade gigantesca, detenta dos meus ais
Observadora do quanto estranho são os seres, pouco leais

Vontade de dizer adeus, partir sem consideração
Deixar o meu coração levar-me para onde for
Sem arrependimento algum, visto estar pesado 
Os dias que acumulam instantes foscos e sem vibração

Talvez siga tais vontades, talvez, não
Tudo é muito incerto, única certeza que tenho
Nesta existência tão inexistente de lealdade!


Autoria: Patrícia Pinna(todos os direitos autorais reservados)
Imagem: Internet



domingo, 5 de junho de 2016

Sereia Apaixonada! By Patrícia Pinna



Serenizou olhando o mar, emudeceu
Sereia sereníssima de madeixas cor do sol
Enamorada do vento, livre em seu melódico pensamento

Sussurra ao Universo todo seu sentir complexo
Transpira desejos, inspira amores
Ouvindo contemplativa o som das ondas
Sinfonia aquática de esplendor

O seu amor é tal qual bruma afetuosa
Deslizando pela rocha no seu inconsciente prazer
Deixando-se emoldurar, ler cada traço
De sua tez alva e intrigante
Suave como vozes angelicais

Deita suas angústias na areia que a recebe
Saboreia o instante, afasta por ora, o lamento
Solta um suspiro profundo em sua solidão
E envia energia boa para o pensamento

Ansiando vir das águas, como miragem
O seu amado cor de ébano, noite e dia, lua e sol
Gota a gota num murmúrio
Um toque visceral no calor do afã apaixonado!


Autoria: Patrícia Pinna (Todos os direitos autorais protegidos por lei)
Vídeo: You Tube
Imagem: Internet