REDESCOBRIDORES DA ALMA!

sábado, 11 de julho de 2015

Sem Saber Nadar! By Patrícia Pinna






Acordara do pesadelo real, ancestral que a perseguira
Por todo esse tempo de inconsciente poder implodindo
Em sua morada sombria e fria
E cria ser um sobressalto sem ar, passageiro, enganara-se

Ouvira a sinfonia da agonia ensurdecer sua audição frágil
Em cada lua desenhada no céu como se fora um réu
Agonizara, chorara, e sonhara despertar da falta de respiração
Percebera inutilmente a inexistente atenção dominante
Palco de cenas demasiadamente torturantes

Não sabia nadar e foi em segundos afogando-se
No infinito do seu olhar degenerador, engolidor
Com a mais profícua fome de iludir, enganar
Tais segundos foram cobertos de uma eternidade triste
Mas quase sem  o sopro de vida, com a voz rouca
Teve tempo de dizer, que não conseguira também!


Autoria: Patrícia Pinna
Imagem: Internet
Vídeo: Youtube




24 comentários:

  1. Bom dia Pati

    Um Poema tristemente belo!! Parabéns

    Desejo-lhe um excelente Domingo.

    Beijos
    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  2. Belíssimo, intenso sofrido poema,Patrícia! Lindo domingo e nova semana! bjs, chica

    ResponderExcluir
  3. Maravilhoso começar o dia com tamanha delicadeza querida amiga ,desejo-lhe um feliz Domingo ,muitos beijinhos .

    ResponderExcluir
  4. Sem Saber Nadar!
    ir ao mar é perigoso
    para nelas se apoiar
    com o mar alteroso
    duas bóias deve levar.

    Que esse pesadelo,
    real não tenha sido
    sem dores de cotovelo
    o ciúme adormecido.

    Com o zum zum nos ouvidos,
    devido à sua frágil audição
    foi para os campos floridos
    com o amor no coração!

    Para você Patrícia Pinna,
    desejo um bom domingo
    com um beijo, para ti menina.
    Eduardo.

    ResponderExcluir
  5. Nadar em nossas profundezas é, sem dúvida alguma, um grande desafio!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  6. Maravilhoso , apesar de melancólico o poema nos transmite leveza
    Nadar e sobreviver na tristeza do pesadelo tão real.
    Lindo,poema profundo como o mar.
    Aplausos e te desejo uma semana de paz.
    Rosa Valverde

    ResponderExcluir
  7. Boa tarde querida Patricia...
    no momento acho que toda a humanidade esta sem saber nadar...
    estamos num barquinho a remo... indo conforme as aguas nos levam...
    dias turbulentos, mas que o tempo haverá de dissipar tudo isso...
    dias melhores sempre surgem.. bjs e feliz sempre querida amiga

    ResponderExcluir
  8. Intensas palavras...

    Obrigada pela visita

    Abçs

    ResponderExcluir
  9. Como nadar num poço sem fundo, carregado das desilusões, que se multiplicam em cada segundo. Querer gritar sabendo que não é ouvido, falta ar, falta chão.
    Difícil estagio da vida estar neste mergulho de nossas emoções.
    Uma profunda inspiração na dor com uma linda construção.
    Desejo-lhe uma semana de sonhos e renovar de esperanças.
    Meu carinhoso abraço Patricia.
    Beijos para voce.

    ResponderExcluir
  10. Olá querida Patrícia,

    O poema e a música se complementam em nostalgia e dor de amor.
    Melhor despertar de um pesadelo real do que nele continuar a viver de olhos vendados.
    A inspiração é puro desalento, mas sobre ele foi construído um intenso poema.

    Que sua semana seja de muita luz.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  11. Esse sufocamento é aterrador. Para viver bem precisamos encontrar saídas onde o ar não nos falte. Mais fácil que nadar nos sentimentos, no íntimo do ser, é nos atirarmos, impensadamente, às águas. Bjs.

    ResponderExcluir
  12. Querida amiga Patricia!
    Continuo afastada da blogosfera pelos motivos que todos
    conhecem. Agora com um tempinho livre vim matar as saudades e deixar
    o meu carinho. É duro ficar afastada daquilo que gostamos e que temos
    prazer em fazer...mas em breve tudo voltara a sua normalidade se Deus quiser...
    Seu poetar é sempre sublime. me toca profundamente! Parabéns!
    Deixo abraços com carinho de coração pra coração.
    Marilene

    ResponderExcluir
  13. Oi Patrícia querida, que saudades daqui!!
    Vim lhe desejar uma excelente semana, beijos e fique com Deus!!

    ResponderExcluir
  14. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  15. Hoje pela manhã ia refletindo no ônibus a caminho do trabalho: Não há como não iludir-se, apostar num sonho qualquer, se segurar. A falta de perspectiva é a própria morte, é morrer em vida. Naufragar faz parte, não dominamos tudo, não dá pra ver, prever com exatidão, além do muro das possibilidades, enxergar o óbvio, sempre acertar. É humano se enganar, vê o que só queríamos enxergar, o que não era de fato, só fictício, uma projeção, miragem do nosso imaginoso olhar, que viu de fato o que não havia, o que havia onde não deveria estar.

    ResponderExcluir
  16. Pat,querida amiga.Triste poema,porém magistral como todos os que escreve,amiga!

    É uma poeta maravilhosa e como poucas.Parabéns!

    Obrigada pela visita,volte sempre.

    Um final de semana de alegrias e paz.

    Beijos sabor carinho

    Donetzka

    Blog Magia de Donetzka

    ResponderExcluir
  17. Não saber nadar, suportar, flutuar pelas emoções fortes
    diante de conflitos, fragilidades, dores é muito angustiante.
    É uma sensação de desolação... O teu dorido poema
    descreve esse ultrapassar os limites do suportável no
    mar de tristeza...
    Um poema que mergulha profundo nas dores da alma,
    muito bem construído em conteúdo e
    poeticamente, Querida Patrícia!
    Um final de semana luminoso!
    Bjos.

    ResponderExcluir
  18. Na vida Pati,tudo é um aprendizado. Amar e não ser amado,algo difícil de enfrentar,mergulhar de cabeça e ñ querer se afogar é difícil hein!
    Mas pelo menos agora depois que tudo passou,pra quem mergulhou de cabeça,cair em um mar aberto vai ser moleza.
    Bjsss menina bom final de semana e Deus te abençoe muiiiito!

    ResponderExcluir
  19. OI PATRICIA!
    NA MAIORIA DAS VEZES, SOMOS CAPAZES DE ENFRENTAR GRANDES MARES E NO MESMO MOMENTO NOS AFOGARMOS EM NÓS MESMOS.
    LINDOS E TRISTES TEUS VERSOS.
    ABRÇS
    -http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  20. Oi Patrícia! Podemos naufragar e afundar nesse oceano...mas como saber, se não tentarmos? Porém as forças podem chegar ao fim, e muito tristemente nos vermos sós...Resta- nos o alívio de que depois da aflição, virá o silêncio e a paz, onde e como quer que sejam.
    Um poema muito sentido e tocante!
    Beijos!
    Bíndi e Ghost

    ResponderExcluir
  21. Um poema tocante e com muita sensibilidade.
    Enfrentar águas,batendo em fragas,mas ao mesmo tempo saber sair dessa tormenta e conseguir livrar-se desse mar revolto,mesmo não sabendo nadar.
    Bjs Patricia e obrigada pela visita
    Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  22. Boa Noite Patrícia!
    Coisa mais boa fechar meu domingo
    lendo esse seu encantador e
    envolvente poema.
    Que sua inspiração nunca falte.
    Linda nova semana.
    Sou grata por sua atenção ao
    Espelhando.
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  23. Na ilusão do amor muitas vezes pode-se afogar... levando-nos nas profundezas do mar de emoções. Adorei o poema! Beijos no coração, amiga.

    ResponderExcluir

A verdade está em mim, sou amante dela com todo o fervor, e desse modo peço que todos que aqui passarem, comentem com a alma, com paixão e verdade, deixando a sua opinião particular e individual, afinal, somos seres únicos com visões diferentes!
Que a alma de cada um de vocês transborde nesse espaço tão meu, tão nosso!
Obrigada e beijos na alma!!!!!!!!!!

Patrícia Pinna.